03 novembro 2014

Velha e Inspirada

Antes de começar o post, venho logo me retratando, pois obviamente o 52 Semanas afundou. Não, gente, não dá. Esse lance de post regrado não é comigo. Mas quem sabe não uso alguns temas? Visto que muitos deles são muito amor para esta pessoa que vos escreve

Enfim.

Voltemos à velhice.



CMMVJ - 50 anos. Foto: AD. Piraporinha
A semana passada foi trash metal em função de uma festividade de 50 anos (cof, cof, 53, mas perdemos a  conta, voltemos às aulinhas de 1+1 do primário, por favor), do grupo jovem da comunidade cristã em que eu me encontro desde... Tempo suficiente para acompanhar pelo menos os últimos 23 anos (e 11 como participante, ou seja, velha!) desse grupo . 

Realizamos uma celebração linda que vai ficar guardada no meu coração como o último e mais magya congresso em que participei, para isso ralamos muito, mas cada momento, cada correria, cada desespero valeu a pena, Obrigada gente!


O fim de semana foi lindo, cansativo, badalado, etc, etc.

- Teve muita farra (santa! rs), muita cantoria, muita dança, muita marcha, muita nostalgia.
- Teve gente se superando e merecendo todos os parabéns do mundo (Viu, Jess?! ).
- Teve fotos, caretas, mais fotos e mais cenas lindas e bizarras gravadas pra sempre.
- Teve almoço em família, com meus avós lindos que vieram para matar a saudade dessa enorme cria que minha família é, e também prestigiar nossa festa, da qual eles também fizeram parte na construção da história.
 - Teve conversas entre os primos, e muitas situações cômicas da infância trazidas à tona ~leia-se micos, muitos micos!~
 - Teve muito amor! Com os parentes, os amigos, com tudo.

Resultado: Tô a base de cápsula de guaraná + açaí (me julguem) para continuar de pé, caindo de sono pelos cantos (e isso não é uma coisa muito boa, quando você não está de férias) e torcendo para achar algum lugar que faça aquela massagem digna de colocar tudo no lugar, coisas da velhice. 

Foto: Acervo Pessoal
Fora o simples fato de eu me ver encurralada quando notei a quantidade de episódios pendêntes de todas, todas, TODAS as minhas séries favoritas para colocar em dia. Porque né, como assim todos eles lançam tudo ao mesmo tempo? Jamais saberemos. Só sei que Murphy me ama!

Esse blog sempre foi o lugar em que gostaria de ter espontaneidade para compartilhar meu cotidiano de uma forma bacana, mas nunca fui muito boa com criatividade.

Agradeço ao final de semana incrivelmente inspirador que tive a ponto de, fazer aqui o que sempre quis. 



Obrigada amigos inspiradores, família inspiradora, que de tantos inconvenientes e surpresas (nem tão boas assim) conseguiram me inspirar lindamente.



O meu amor eterno ao Meiga Voz. 

O meu amor eterno à Família Caldeira. 





18 agosto 2014

Músicas que eu não canso de ouvir



Sempre tive vontade de escrever aqui sobre música, meus gostos, bandas e etc, mas sempre fui tão mutante, e desde o começo do blog meu gosto se modificou tanto, que seria certamente uma publicação pra lá de ultrapassada. Chegou um tempo da minha vida em que deixei de me rotular (já fui "punk #sqn", "indie ~kkkkk~ sqn", ou apenas uma rock girl, depois eclética [oi?], depois tudo de novo, desde o começo. Ah, a adolescência!), e passei a ouvir o que tivesse vontade, sem medo e sem vergonha. 

Tenho síndrome do acúmulo, onde os cartões de memória de hoje em dia não são páreos para a minha vontade de colocar um pouco de tudo no celular, e confesso que existem faixas que provavelmente ouvi apenas uma vez, de tantas coisas que estão ali para serem ouvidas, mas nunca conseguirei ouvir tudo com frequência. Eu simplesmente tenho um faniquito e nunca baixo só uma música, quero sempre o álbum todo, ou a trilha sonora inteira daquele filme magya pra tocar. Se eu gosto de uma música, pesquiso sobre o cantor e baixo praticamente a discografia para colocar no celular, e trilhas sonoras geralmente me encantam por completo, não tem essa de meio termo, por isso meu filtro fica tão vasto.  Não faço ideia de porque tenho essas obsessões. É realmente um TOC, assim como renomear faixa a faixa e organizar tudo quando baixo álbuns com O_Nome_Da_Música_Assim_- _fulano_músicas. Não consigo, me dá desespero. Não adianta, nunca superarei esses vícios. 

Após a maturidade musical, e meu êxito em conseguir me organizar em meio à tudo isso, reuni as músicas que definitivamente nunca deixarei de amar. Umas que conheço há 7, 3 anos, 6 meses, ou 3 semanas. São minhas "baladinhas" e sei que sempre que milagrosamente pintarem no meu celular eu ouvirei, repetirei e nunca enjoarei. Simplesmente amarei!

Sem mais delongas, vou compartilhar a "Minha Playlist Perfeita" ♥ 

E óbvio, como parte do meu TOC musical, em ordem de preferência.

08 agosto 2014

Lugares no mundo que eu gostaria de conhecer

Iniciando a tag 52 Semanas, um tanto quando tarde, mas antes tarde do que nunca, separei 5 dos lugares que eu mais gostaria de conhecer. 

Não é uma tarefa muito fácil, pois, acredito que viajar, ainda que à lugares menos difíceis e mais acessíveis ($$!) sempre nos trazem um enriquecimento cultural e histórico. Não apenas pela viagem bacana, as paisagens lindas, mas, principalmente valores culturais. Valores que, para mim são o que mais contam e me instigam a sair por aí, querendo devorar tudo, querendo devorar a vida! Com este fato, afirmo que existem tantos lugares que quero conhecer, tantos...

Enfim.

Irei me ater a apenas a estes, mas tenho certeza de que escolhi os que mais me instigam vontade na ordem exata de preferência. Vamos lá?

29 maio 2014

Zerei a fase Doctor Who!



Pois bem, vos apresento a série que me rendeu muito tempo e dor de cabeça forçando as vistas até altas horas na frente da tela do computador. Doctor Who! Sim, eu não sei em que mundo vivo, mas só conheci o seriado ícone da cultura britânica há cerca de seis meses.

Pra quem também é bicho do mato como eu, Doctor Who é uma série britânica de ficção cientifica que já existe há 50 anos, sendo assim a série de ficção cientifica com maior duração na história da televisão, e narra as aventuras de um Time Lord viajando em todo tempo e espaço sempre acompanhado de um Companion.

Sou suspeita para falar da qualidade da série, afinal ela é de longe a melhor série que já acompanhei, mas é notório que algo que está no ar a tanto tempo certamente é algo consideravelmente bom e original.

Doctor Who se destaca pelo seu formato diferente, e alguns detalhes que dificilmente encontraremos em outra série, como a grande rotatividade de atores nos papéis principais e coadjuvantes, fato este que colocou a série na ativa por tantos anos consecutivos. Esse formato diferenciado pode ser um choque para aqueles que assim como eu, sempre se encantam por certos personagens. Sofri com a primeira regeneração, e com a primeira troca de companion, achando que eles jamais seriam substituíveis, e realmente não foram, mas cada personagem tem seu encanto, e aos poucos você vai se conformando com este formato diferente e amando cada personagem – e cada encarnação do Doutor.

Doctor Who é basicamente dividida em suas etapas: a Série Clássica e a Série Atual.  Esta primeira etapa não é muito fácil de encontrar, afinal conheci o seriado devido a notoriedade que a série atual conquistou nos últimos tempos. Assisti todos os episódios no Netflix, mas alguns episódios especiais você encontra no UniversoWho, que se tornou um grande suporte para mim e claro, para alguns amantes da série. Lá você encontra a Clássica também, que ainda não tenho muito conhecimento de causa para resenhar, mas estou sedenta para assistir tudo.

Enfim, assisti todos os episódios da Atual nos últimos 5, 6 meses, estou aqui meus amigos, sofrendo, aguardando ansiosamente a 8ª temporada que vai ao ar no 2° semestre deste ano.  Aguardando ansiosamente a disponibilização na internet também, o que certamente vai demorar um pouco mais, pois existem empresas que enfiam a faca em nossas vidas, mas a Tv a Cabo está de parabéns! Me recuso.

See you, noites mal dormidas para colocar os episódios em dia, ansiedade louca de ver o que vai acontecer no próximo episódio, e maratonas noturnas na companhia forçada do maridão. See you , Doctor Who!

Definitivamente é um seriado bom demais para eu não deixar nenhum fragmento dele aqui no meu diário, mas vou parando por aqui para não correr o risco de estragar a surpresa de quem se interessar.






Meu Doutor favorito certamente foi o 10°, interpretado pelo ator David Tennant. Ele conseguiu trazer uma personalidade ao Doutor que de longe foi a que mais me conquistou! E você? Corre lá e escolha uma das encarnações do Doutor para chamar de sua!